Não espere encontrar nenhuma Fontana de Trevi entre os chafarizes de Lisboa, inclusive, alguns deles nem estão em bom estado de conservação, mas essa visita é interessante para conhecer um pouco da história e urbanização da cidade, além de ser uma oportunidade para caminhar pelas ruas antigas, passando pelo casario colorido e por vários grafites bem legais.

O surgimento de muitos deles está ligado à construção do grande aqueduto das Águas no século XVIII. Foi iniciativa de D. João V (que pode ser considerado o Luiz XIV de Portugal) para resolver a questão do abastecimento da cidade, já que a água do rio Tejo não era propícia para utilização. Entretanto, há também alguns chafarizes muito mais antigos, construídos pelos mouros no século XIII, e estes eram abastecidos por fontes locais.

No percurso entre os chafarizes, passamos pelas regiões mais turísticas, históricas e charmosas da cidade: começando pelo Chafariz do Rato (Rua do Salitre 235), descemos em direção a Santos-O-Velho onde está o Chafariz da Esperança (Largo da Esperança); a partir daí, começamos a subida para o Chafariz do Carmo (Largo do Carmo,4) passando pelo Chafariz do Século (Rua de O Século) no caminho. Descemos novamente, desta vez em direção à Santa Apolônia onde estão o Chafariz D’El Rey (Largo do Terreiro do Trigo) e o Chafariz de Dentro (Largo do Chafariz de Dentro), os mais antigos e emblemáticos de todos. Finalmente, seguimos em direção ao Chafariz do Intendente (Rua da Palma, 290) e terminamos no Chafariz do Vinho (Rua da Mãe D’Agua/Praça da Alegria), cujas instalações foram aproveitadas por uma enoteca, o que é uma boa notícia, pois dá a chance de terminar o passeio degustando uma taça de vinho!

Agora uma dica: mesmo estando a água tão em evidência nesse passeio, não deixe de levar sua garrafinha de água mineral, pois desses chafarizes não vai conseguir uma gota sequer! Quem avisa, amigo é!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *