A partir do reconhecimento do cristianismo como religião oficial do Império Romano, diz-se que depois de Roma, Lisboa era a cidade com o maior número de igrejas de toda a cristandade.

De fato, até hoje é fácil esbarrar em uma delas praticamente em cada esquina de Lisboa, cada uma com seu estilo arquitetônico, mas sempre majestosas e imponentes, como se estivessem demarcando seu território, para não deixar nenhuma dúvida sobre o seu poder.

Mas aqui em Lisboa também existem igrejas tão disfarçadas no meio do casario urbano que mesmo passando por elas no dia a dia, quase não as percebemos, são as igrejas secretas.

Uma delas fica bem em frente ao badalado miradouro de São Pedro de Alcântara, mas, como era originalmente a residência da família do Marquês de Marialva, não possui aquela fachada característica das igrejas e pode passar despercebida pelo turista mais distraído: é o Convento de São Pedro de Alcântara, que por dentro não deixa nada a desejar a qualquer igreja , tem nas paredes painéis de azulejos que representam a vida de São Pedro de Alcântara, altares em talha dourada, pinturas da época joanina e a cereja do bolo que é a capela em estilo barroco italiano toda em mármore colorido, muito linda!

Um forte motivo para o surgimento das igrejas secretas foi o plano de reconstrução da cidade implantado pelo Marquês de Pombal após o terremoto de 1755, valorizando as linhas retas e sóbrias, ruas mais largas e lineares, além de reduzir muito o número de igrejas na área revitalizada.

Nessa época, algumas igrejas foram reconstruídas como edifícios comuns, integrados ao casario da cidade, com fachadas simples, sem as tradicionais praças em frente. Somente por dentro exibiam toda a exuberância e rebuscamento típico das igrejas. Algumas delas são: Capela da Ordem 3ª do Carmo, Igreja de Nossa Senhora das Oliveiras, Igreja de Corpus Christi.

Outras, ainda preservam alguma característica mais visível. A Igreja de Nossa Senhora da Conceição – a Velha aproveitou o antigo pórtico lateral da Igreja da Misericórdia, todo entalhado no estilo manuelino, como sua entrada principal, porém, localizada ao lado dos diversos edifícios comuns ao longo da rua, sem nenhum destaque especial.

Há também a Igreja de São Nicolau, que embora seja bem visível e identificável como igreja, não possui torres e está envolvida por edifícios no estilo pombalino.

Interessante também observar que durante era Pombalina várias igrejas passaram a ser utilizadas com outros propósitos, como hospitais, órgãos públicos e privados. Até o famoso Armazéns do Chiado, atualmente um shopping center, foi um dia a igreja do Santo Espírito da Pedreira. É só reparar nas construções com três portas alinhadas e não tenha dúvida, aí jaz uma igreja antiga….

Ao andar pelo Chiado e baixa pombalina, além das vitrines, dos monumentos e praças famosos, de todos os atrativos que chamam a atenção, temos mais essas preciosidades de Lisboa para prestar atenção!

Abaixo os endereços das igrejas citadas:

– Convento de São Pedro de Alcântara – Rua de São Pedro de Alcântara, 85

– Capela da Ordem 3ª do Carmo – Largo do Carmo – Rua Oliveira ao Carmo, 4

– Igreja de Nossa Senhora das Oliveiras – Rua de S. Julião, 140

– Igreja de Corpus Christi – Rua dos Fanqueiros, 113

– Igreja de Nossa Senhora da Conceição – a Velha – Rua da Alfândega, 108

– Igreja de São Nicolau – Rua Vitória

– Armazéns do Chiado – Rua do Carmo,2

Antiga Igreja de Santo Espírito da Pedreira
Antiga igreja de Corpus Christi

Igreja de Nossa Senhora das Oliveiras

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *